terça-feira, 30 de novembro de 2021


Desporto... ou talvez não

Flash sobre futebol
Não sou adepto de futebol, nunca fui e, provavelmente, jamais serei. Mas sempre ouvi dizer que o futebol é um desporto de competição, o que, à partida, pressupõe o confronto entre quem entre si possa competir, nomeadamente por se encontrar em pé de razoável igualdade de capacidades e de aptidão para vencer.

Por isso mesmo, tal como, por exemplo, em desportos de combate os competidores são escalonados pelo peso, também no futebol os clubes são, em função das provas dadas, separados em divisões - que agora, por imperativos de marketing, se vai designando por ligas.

Aqui reside, afinal, toda a lógica do combate: o equilíbrio de forças.

De outra forma, um desafio, um jogo não passaria de massacre, e o que se esperaria fosse um belo e valoroso espetáculo não passaria, do lado mais fraco, de mero suicídio desportivo; do lado mais forte, de um ato de cobardia.

Acontece, é verdade, determinada equipa ver-se obrigada a jogar com menos um, ou dois, ou três ou, até, quatro jogadores. Mas, tal deve-se a acontecimentos ocorridos durante o jogo, sejam lesões graves, seja a ação disciplinar por ilícitos cometidos. É, assim, uma consequência do jogo, que em nada defrauda as expetativas da bancada, e em nada desmerece qualquer equipa ou jogador.

Não vejo, no entanto, como poderá o mesmo dizer-se do facto de uma equipa - Belenenses - se apresentar a um jogo da Primeira Liga como se dois cartões vermelhos já lhe tivessem sido mostrados antes de entrar em campo, e outra - Benfica - aceite menorizar-se por estar, à partida, a defrontar um adversário sem quaisquer condições para o ser.

Ganhar por sete a zero, com o jogo abruptamente feito terminar ao fim do primeiro tempo, em tais circunstâncias, não apenas não se reveste de qualquer mérito para o vencedor, como é vergonhoso, como é algo que, muito simplesmente, nem deveria poder acontecer.

Se os desafios são adiados por causa da chuva, como aceitar que, pelos efeitos de uma emergência sanitária como a COVID-19, o não possam ser? Ou que alguém que não queira o adiamento possa fazer a sua vontade prevalecer?

Em lugar de se assistir ao espetáculo do desporto, assistiu-se a um triste espetáculo. De falta de vergonha, de falta de tudo. Sobretudo, de falta de pudor.

Fala-se muito da dignificação do desporto. Curiosa forma de a promover...

4 comentários:
  1. Escrevi sobre este assunto e vejo que tem a mesma opinião sobre a verdade desportiva. Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  2. De acordo com tudo, menos com o título: acho que teria sido mais adequado “Desporto...Não”

    ResponderEliminar

Comentar é a melhor forma de ajudar a validar ou invalidar as convicções de quem escreve ou irá ler. Muito obrigado!