sábado, 12 de junho de 2021


Por que não? Porque não!

"Quando a escrita se altera para acompanhar alterações na linguagem falada,
estamos perante uma evolução; mas, se a escrita muda por si só,
porque nem se foi ver, porque a gramática pouco importa, assim se caminhando
para o desconhecimento generalizado de determinada regra e das outras todas
e das razões que lhes subjazem, somos levados a pensar em indiferença,
em descaso, ou em mera ignorância gramatical
"


   1. O que por Aí Vai
   2. Exemplos de Autores Portugueses
   3. Comparação com Outros Idiomas Europeus
   4. Ao Ler, Como Entoar?
   5. Da Alegada Ausência de Objeto
   6. Uma Lacuna Teórica
   7. Conclusão


1. O que por Aí Vai…

Esclareça-se, antes de mais, que este texto não aborda a forma interrogativa por que? no sentido de por qual?, matéria que nada de útil acrescentaria ao debate, uma vez que, a despeito da aplicação frequentemente errada de porque?, a existência de uma regra que manda utilizar, nestes casos, por que? parece ser, entre quem escreve sobre gramática, consensual.

Limita-se, assim, o âmbito do artigo à expressão da interrogação quanto à razão de ser, à causa do facto, à motivação da ação - que também ora encontramos introduzida por por que?, ora por porque?-, omitindo-se, propositadamente, o tema da formulação de perguntas quanto à forma, ao modo ou a outra variável àqueles respeitante que possam ser iniciadas por por qual?

- x -

A Internet é vasta e, em termos práticos, quase infinita, pelo que não tenho a pretensão de, na pesquisa a que procedi, ter consultado, sobre o tema, todas as páginas disponíveis.  Devo, no entanto, afirmar que, entre todos os defensores do porque interrogativo, não encontrei um único que fundamentasse a sua posição no livro de gramática de um conceituado linguista: ou, simplesmente, não citam, ou citam autores a partir de finais do século XX, também cada um dizendo a sua coisa sem qualquer fundamentação lógica que a sustente.

Demonstração maior da confusão que grassa é, precisamente, o facto de cada um classificar o famigerado porque interrogativo a seu bel-prazer: para uns é “conjunção interrogativa porque”, para outros “advérbio interrogativo porque?”;  há também quem lhe chame “pronome interrogativo porque?” e, como imaginação não falta, nem faço ideia do que mais por aí poderá haver.

Também encontrei quem citasse um autor que, num discurso emotivo, pretende não existir em por que? qualquer lógica ou análise viável, por não se saber a classificação daquele que, parecendo ignorar, talvez porque não procurou ou não encontrou, que aquele que não tem existência própria, antes sendo uma das componentes da locução adverbial “por que?1.

Esclarecendo o que diz a gramática1, os pronomes interrogativos são: que, quem, qual, quantos (pp.367).  Porque pode ser conjunção coordenativa explicativa (que, porque, pois, porquanto - pp.595),  conjunção subordinativa causal (porque, pois, porquanto, como [= porque], pois que, por isso que, já que, uma vez que, visto que, visto como, que, etc - pp.600) ou conjunção subordinativa final (para que, a fim de que, porque - pp.601).  Já os advérbios interrogativos são por que? (de causa), onde? (de lugar) como? (de modo) e quando? (de tempo).

Assim estabelecem Celso Cunha e Lindley Cintra duas coisas, que os que estudaram e publicaram antes do pântano de indefinição em que vivemos sabiam também:

a)   que tanto conjunções como advérbios podem ser formados por uma ou mais palavras, assim tornando inane e improdutiva a objeção pela – falsa – impossibilidade de classificação do que em por que?;

b)     que os pronomes também podem assumir a forma de locuções (pp.371);

c)  que por que? é o advérbio interrogativo causal (por que? ) ou o pronome interrogativo (que? ) que deve ser empregado em interrogações diretas e indiretas – e não porque?  (pp.557)

Não sou eu que o digo, são dois dos mais lidos, celebrados e consagrados linguistas;  e, antecipando alguma objeção baseada na teoria peregrina, que já por aí vi, de que o por que? é a forma utilizada no Brasil, há que dizer que Lindley Cintra era português e que, embora editada a Gramática no Rio de Janeiro, os Autores distinguem os casos em que regras diferentes vigoram em Portugal e no Brasil.  Mas não fazem, neste este caso qualquer diferenciação.

O mesmo acontece, aliás, na edição portuguesa2, na qual por que? é inequivocamente referido como “advérbio interrogativo de causa” (pp.366).

Fontinha3 considera, por seu turno, tratar-se de um pronome interrogativo sem, todavia, deixar de defender a grafia por que? (pp.90, n.º 204), enquanto, também entre os que defendem a classificação como pronome – neste caso, unicamente do que -. Torrinha4 explica que “os pronomes relativos têm um consequente claro ou oculto; mas, quando oculto, pelo sentido facilmente se subentende” (pp.160, n.º 313).

Esta última posição permite-nos, pois, concluir que, no caso do interrogativo por que? - seja ele pronome ou advérbio – estamos, muito simplesmente, perante um consequente oculto como razão, motivo ou outro, sendo esta a única diferença entre, por exemplo, por que razão? e por que (razão)?, assim não podendo a mera ocultação do consequente servir para legitimar uma forma diferenciada porque?. Lembra, ainda, o Autor que “os advérbios dizem-se simples se constam de um só vocábulo; compostos ou locuções adverbiais, se constam de um grupo de palavras a que se pode atribuir o valor dum advérbio” (pp.253, n.º 473), assim respondendo à objeção de quem defende a inexistência de lógica em por que? por não se saber a classificação daquele que.

Já Gomes5, sempre sem unir o por ao que, considera estarmos perante a preposição por e o pronome relativo que no caso de “este é o motivo por que te digo isto”, e, tal como Cunha e Cintra, de um advérbio interrogativo no caso de “diz-me por que não vieste mais cedo” (pp.262), deixando ao porque somente o papel de conjunção subordinativa causal (pp.105).

Ressalvadas as diferenças na classificação, temos assim autores de diferentes épocas do séc.XX a defender a separação do por e do que sempre que empregues na forma interrogativa direta ou indireta, e independentemente da eventual ocultação do consequente.

Voltando aos que defendem o porque? Interrogativo – os quais me dispenso de referir, de tantos que são, ultimamente, por essa Internet e não só, a seguir fielmente uns o que, arbitrariamente, dizem os outros -, até li quem, quiçá por não encontrar uma lógica clara e uma fundamentação precisa, se contentasse em sustentar que numa frase parecida com "porque não vieste?" não há objeto, logo, a frase implica causa, assim manifestando aparente incapacidade para ver além do óbvio, designadamente identificando a elipse do consequente.

Mas que nexo de causalidade poderá existir entre a alegada falta de objeto e a suposta aquisição da componente causal?  E, se uma interrogação visa questionar sobre a causa, como pode pretender-se que a ideia da última não está na primeira, indelevelmente incluída desde a formação da questão?

Adiante revisitarei este assunto.

 


2. Exemplos de Autores Portugueses

Presumir positivamente é grave erro científico, mas, como terá dito um filósofo romano do século II d.C., é impossível para um homem aprender aquilo que ele acha que já sabe.

Ora, curiosamente, os eruditos que, certamente com a melhor das boas vontades, se propõem, em sítios na Internet, esclarecer dúvidas de língua portuguesa a quem as tem, citam exemplos de autores consagrados para a conjunção porque, mas, que eu tenha encontrado, nunca para o porque? interrogativo cuja existência insistem em defender, assim parecendo presumir que se trata, em ambos os casos, da mesma coisa.  Também isto algum significado há de ter…

O resultado da polémica é que, aparentemente, tanto o por que? como o porque? parecem estar a caminhar para a extinção, já que não são assim tão raros por essa Internet textos em que, porventura para fugir à polémica, os autores a eles preferem, sempre ou quase sempre, uma forma com o consequente expresso (cf Torrinha, 1946): “por que motivo?” ou “por que razão?”, relativamente às quais a polémica não existe.

Exemplos de frases de mestres da nossa literatura poderão acrescentar alguma humildade ao esforço dos já citados teóricos eruditos, o que amplamente contribuirá para dignificar e credibilizar as suas posições:

Ø  Quem soubera/Por que tudo passou e foi quimera,/E por que os muros velhos não dão rosas!” (Florbela Espanca, “O Meu Orgulho” in “A Mensageira das Violetas”)

Ø  por que é que não andamos, perguntou” (José Saramago, “Ensaio sobre a Cegueira”)

Ø  Não entendia por que se demorava a mulher tanto” (idem, ibidem)

Ø  Por que te assustas de cada vez?” (José Régio) 1

Ø  Mas por que para este infame comboio?” (Eça de Queiroz, “A Cidade e as Serras”, no tempo em que o atual porquê? também ainda era por quê?)

Ø  Por que não ergue ferro e segue o atino/De navegar, casado com o seu fado?” (Fernando Pessoa, “A Minha Vida É Um Barco  Abandonado”, in “Cancioneiro”)

Ø  Por que lhes dais tanta dor?!” (Augusto Gil) 1

Ø  Mas por que não lhe telefona logo à noite, por que não recomeçam a velha e quase esquecida amizade?” (Augusto Abelaira) 1

Ø  Por que vens, pois, pedir-me adorações quando entre mim e ti está a cruz ensanguentada do calvário?” (Alexandre Herculano) 1

Em contrapartida, quantos porque? encontrarão os defensores desta inovação em autores anteriores a ter começado este gramatical desvario que ninguém parece querer fazer parar?  Muito poucos, por certo; e não parece ajuizado defender minorias quando elas estão objetivamente erradas, como poderá ser aqui o caso.

A menos, claro está, que, como dizem que não há maior cego do que o que não quer ver, os defensores do porque? estejam todos certos e, comigo, Herculano, Abelaira, Gil, Régio e os outros completamente errados, até porque ninguém encontrei que encare o porque? Interrogativo como uma evolução, mas, simplesmente, como uma intemporal realidade.

Importante será, ainda, referir que Cunha e Cintra (2002)1 nem uma vez utilizam porque? para iniciar uma interrogação direta ou indireta, o que não pode ser considerado sem significação.

Apesar de tais exemplos, entre tantos, tantos outros, se me afigurarem inquebrantável evidência da correção da forma interrogativa por que? também em situações de omissão do consequente de que fala Torrinha (1946)4, intensificarei, de seguida, a defesa da minha posição, dado que, embora fragilizada pela generalizada falta de uniforme, coerente, sustentável  e válida fundamentação,  é ainda grande a oposição.

 

3. Comparação com Outros Idiomas Europeus

Dado que não estamos sozinhos no Mundo nem falamos só para nós – experimentemos ver a cara de espanto de:

- um francês, quando lhe perguntarmos: “parce que ne pas aller voir une comédie?

- um inglês, perante: “because are you here?

- um alemão, ao nos ouvir dizer: “weil den nicht?”

 

Pois não, não veremos qualquer cara de espanto, mas pela simples razão de, por não querermos fazer triste figura, alarvidades tamanhas nos não atrevermos a pronunciar.

Idioma

Forma Interrogativa

Forma Causal

Português

Por que?

Porque

Espanhol

¿Por qué?

Porque

Francês

Pourquoi?

Parce que

Inglês

Why?

Because

Alemão

Warum?

Weil

Já em português - o nosso idioma nativo! - não parece ter qualquer importância a progressiva corrupção da grafia do advérbio interrogativo por que? para porque?, própria e exclusiva da conjunção coordenativa explicativa e das conjunções subordinativas causal e final.

 

4. Ao Ler, Como Entoar?

A fluidez é um imperativo da boa leitura mas, para que ela seja possível, necessário se torna que quem escreve cuide de, com a antecedência possível, transmitir ao leitor a entoação afirmativa, negativa ou interrogativa que deverá adotar, ao ler para si;  ou para os outros, por maioria de razão.

Tomemos, como exemplo de uma hipotética fala, “Porque não conhecemos, de Lisboa para Coimbra, o horário dos comboios, não sabemos a que horas iremos chegar”.

A entender-se que porque deve ser utilizado quer na forma afirmativa, quer na interrogativa, ao começar a ler “Porque não conhecemosserá impossível saber por qual das duas entoações deveremos optar, podendo, facilmente, enveredar pela entoação apropriada a “Por que não conhecemos, de Lisboa para Coimbra, o horário dos comboios?”, já que, ao começar a ler, não sabemos como a frase irá terminar.

Já se adotarmos, como forma interrogativa direta, por que? - e não porque? -, logo à primeira palavra “Porque” da frase do nosso exemplo ficaremos cientes de que a entoação afirmativa deve ser aplicada, enquanto, se a fala começar por “por que”, será de imprimir um tom interrogativo ao que se lhe seguirá.

Esta objeção tem razão de ser tão evidente quanto a certeza de não haver como, na prática, a contornar.  Dispenso-me, pois, de para ela outros exemplos, de entre inúmeros possíveis, aqui indicar, ficando, assim, demonstrado que, além da objeção gramatical propriamente dita, a indiscriminada e indiferente utilização do porque causa, também à fluidez da leitura, prejuízo claro e evidente, que cumpre evitar.

 

5. Da Alegada Ausência de Objeto

Voltando à alegada ausência de objeto (cf 1. supra) em, por exemplo, “por que não vamos passear?”, fácil se torna concluir que ela não ocorre, antes se tratando do recurso à elipse do mesmo – ou “omissão do consequente4 -, por comodidade de expressão.

Por que razão não vamos passear?” significa, precisamente, o mesmo que “por que [razão] não vamos passear?”, dado que a dúvida suscitada é, precisamente, a mesma, como precisamente a mesma é a causa que se pretende conhecer e precisamente a mesma será a resposta a obter.

Sendo a pergunta e a resposta iguais, não há como argumentar que num caso não existe objeto.  Existe; simplesmente não se encontra expresso, foi elidido, omitido.

Ora, salvo melhor opinião, existindo o objeto e sendo ele o mesmo, nenhum fundamento existe para que sejam escritas ou classificadas de forma diversa uma e outra interrogações;  tampouco para, de forma absolutamente arbitrária, quebrar uma vez mais, do idioma, a estabilidade e a clareza essenciais à adequada e universal compreensão.

Se, ao me perguntarem quando me irão tratar um dente, eu responder apenas “Tratam amanhã”, garanto que a elipse não gera falta de objeto.  Pelo menos, na cadeira do dentista, onde o vou sentir da mesma forma que se tivesse respondido “Tratam o meu dente amanhã”.

Simplesmente, tal como acontece quando, a seguir a por que? omito motivo ou razão, me terá parecido que o facto de cortar uma palavra ou duas não prejudicaria o significado nem o sentido da oração, o que é um facto.

Só porque escolho não mostrar alguma coisa, ela não deixa de existir.  Seria bom, por exemplo, se, para que o que é mau deixasse de existir, nos bastasse escondê-lo...

 

6. Uma Lacuna Teórica

Quando, como aqui acontece, queremos demonstrar a alguém a nossa razão, importa que seja firme e honesta a nossa convicção, havendo, outrossim, que esgotar, a favor e contra, a possível argumentação.

Devo, assim, sempre com o devido respeito, salientar que Celso Cunha e Lindley Cintra – e, com eles, a generalidade de quem sabedor escreveu sobre gramática - poderão não ter previsto todas as possibilidades ao classificar unicamente por que?, onde?, como? e quando?  como advérbios interrogativos.

Isto, porque apesar de também serem expressões interrogativas formadas por uma preposição seguida do pronome que, não se encontra, percorrendo a sua obra1, classificação para até que?, com que?, de que?, em que? entre que?, para que?, sem que?, sob que? e sobre que?.

Fica, pois, ao leigo a inevitável dúvida quanto à razão pela qual por que? merece a classificação própria de advérbio interrogativo causal, enquanto as outras expressões não são, por exemplo, para que? um advérbio interrogativo final e até que? um advérbio interrogativo temporal?  Ou, inversamente, por que não é por que?, como elas uma mera preposição seguida do pronome que?

Para esta aparente dualidade de critérios não encontrei, nas fontes consultadas, qualquer explicação.

Note-se, porém, que a dúvida se refere, unicamente, à classificação gramatical, é meramente adjetiva, e não afeta, de forma alguma, quanto aqui se disse relativamente à questão substantiva da indispensável utilização diferenciada do por que? Interrogativo e do porque unicamente causal.

Esta aparente opção dos Autores por uma análise menos transversal do problema não deixa de sugerir, no plano prático, uma derradeira questão: se se insiste, atualmente, em transformar por que? em porque?, por que não fazem o mesmo com atéque?, conque?, deque?, emque?, entreque?, paraque?, semque? e sobreque? ?

Ridículo?  Sem dúvida, tal como o porque? o será também.

 

7. Conclusão

Toda esta polémica em redor da forma interrogativa por que? é notoriamente injustificada e vazia de fundamentado conteúdo, além do que que, sobre o tema, existe doutrina bem firmada na gramática portuguesa.

O perigo verdadeiro está naquilo para que me não tenho cansado de alertar: a arbitrariedade, a arrogância com que qualquer um se atreve a, com o maior dos à vontades, “esclarecer”, como dizem, os leitores mergulhados na dúvida – cada vez mais legítima dada a proliferação de informação errada – por ação de meras opiniões não fundamentadas, expressas como se autênticos dogmas fossem as respetivas conclusões.  Tudo isto agravado – e muito - pelo facto de o corretor do Word em que escrevo sugerir a utilização de porque sempre que escrevo por que; e aqui pode estar uma bem importante causa da estonteante proliferação do erro.  Note-se que falo do mesmo infalível Word que não se coíbe de contar como uma palavra qualquer coisa que seja ladeada de espaço, antes e depois, ainda que se trate de uma consoante isolada ou um simples hífen.   Experimentem lá… E é esta coisa que dita, atualmente, as regras da gramática portuguesa!

Eis, pois, belíssimos exemplos das razões que - na perspetiva do leigo que, por isso mesmo, se sustenta em autores consagrados - me levaram a dedicar algumas linhas à reflexão sobre o crescente facilitismo na utilização da Língua Portuguesa.  Eis, também, por que, no texto de apresentação da mesma, falo de liberdade e ambiguidade, de indiferença e facilitismo, de falta de fundamentação.

A verdade por detrás de toda esta discussão estéril parece bem simples: agravada pela tendência social crescente para o “Tanto faz !“, a manifesta dificuldade, devido à deficitária consciência gramatical da generalidade da população, em destrinçar o que separa o por que? interrogativo do porque causal – sem interrogação - tem levado a que, nos anos mais recentes, o primeiro tenha sido substituído por uma espúria forma supostamente interrogativa porque?

Apesar da enormíssima asneira que tal representa – não só pela ambiguidade como pela inútil dificuldade que introduz na leitura -, a pouco laboriosa investigação por parte de quem, de forma empenhada a deveria ter empreendido antes de, supostamente ex catedra, se pronunciar, terá levado a que certos linguistas se tenham encontrado num beco sem saída, pleno de classificações criativas mas inexistentes em qualquer gramática que por eles não haja sido escrita – ou por outros como eles nestes mesmos tempos mais recentes -, entre elas diferindo substancialmente:  ora pronome, ora conjunção, ora advérbio porque?

Confundidos, foram procurar justificações numa alegada mas inexistente perda de objeto, num suposto tratamento diferente em Portugal e no Brasil – sem explicar que o mesmo se deveu, simplesmente, ao facto de o Brasil se não ter (ainda) deixado levar na onda de degeneração do advérbio -, até, quiçá ignorantes da existência de locuções, argumentar com a impossibilidade de classificação gramatical do que em por que?

Ora, quem se queixa da alegada impossibilidade de classificar, individualmente, o que de por que?, como classificará o que de para que? ? Ou deveremos, mesmo, adotar o paraque? ?

A investigação foi, também, descuidada ao não ter analisado a realidade de algumas das línguas europeias mais comummente faladas entre nós, nas quais existem, sempre, termos diferenciados para a interrogação – direta ou indireta – e para a afirmação causal;  e descurou, até, a comparação da evolução de outras interrogativas formadas por preposição seguida do tal inclassificável que – como para que? -. também elas possíveis locuções interrogativas.

Aos que discordam da afirmação de que a ignorância e o facilitismo se encontram na génese da confusão, lembrarei quem tem "nada porque viver", "aquilo porque passei", "porque caminho vais?", e outras das mais chãs manifestações de gente que não sabe escrever, tão correntes na imprensa e nas legendas que, diariamente, nos entram na mente através da televisão. Não tarda, andará por aí quem esclareça dúvidas da língua portuguesa com base no advérbio ou pronome interrogativo de lugar poronde, e outras originalidades que tais...

- x -

Quando a escrita se altera para acompanhar alterações na linguagem falada, estamos perante uma evolução; mas, se a escrita muda por si só, porque nem se foi ver, porque a gramática pouco importa, assim se caminhando para o desconhecimento generalizado de determinada regra e das outras todas e das razões que lhes subjazem, somos levados a pensar em indiferença, em descaso, ou em mera ignorância gramatical.

Em prol da manutenção da clareza e da estabilidade da língua, bem como da essencial fiabilidade da mensagem, proponho que o Word corrija o seu corretor, e que quantos se manifestaram a favor do porque? Interrogativo apaguem os seus esclarecimentos dos sítios em que os afixaram - já que nos livros pouco haverá a fazer -, ou me corrijam fundamentando devidamente em autores consagrados da gramática portuguesa as suas tão criativas opiniões.

Proponho, também, que a forma interrogativa porque? seja, definitivamente, erradicada da escrita, mantendo-se a utilização de por que? interrogativo que sempre foi; e que, querendo quem manda, sempre será.


Outras Respostas que Poderão Interessar-lhe:
- Diz-se "Limpo" ou "Limpado"? Leia AQUI
- Diz-se "Vende-se" ou "Vendem-se"? Leia AQUI
- Diz-se "Dezenas de Milhar" ou "Dezenas de Milhares"? Leia AQUI
- Qual a Diferença entre "Facto" e "Ato"? Leia AQUI
- Qual a Diferença entre "Sexo" e "Género"? Leia AQUI
- Existe uma Linguagem Inclusiva? Leia AQUI


1 Cunha, Celso e Cintra,Lindley  – “Nova Gramática do Português Contemporâneo” – 7ª edição, 2016 – Lexicon Editora Digital, Rio de Janeiro

2 Cunha, Celso e Cintra,Lindley – “Breve Gramática do Português Contemporâneo” – 15ª edição, 2002 – Edições João Sá da Costa – Lisboa

Fontinha, Rodrigo Fernandes – “Gramática Portuguesa Elementar” – 2ª edição, 1951(?) - Editorial Domingos Barreira – Porto

4 Torrinha, Francisco – “Gramática Portuguesa” – 7ª edição, 1946 – Edições Marânus – Porto

5 Gomes, A. - “Lições Práticas de Gramática Portuguesa” – Livraria Simões Lopes - Porto

3 comentários:
  1. Este é um tema por demais discutido e complexo.
    Hoje em dia, há quem descarte o estudo da Gramática. Mas a Gramática é o pilar da Língua.
    Não sou de vaguear sobre questões que têm várias interpretações. Penso que a Linguagem, como Ciência que é, deve seguir uma lógica. Então eu sigo a lógica da Linguagem, mais do que as discussões à volta de algo que me parece simples e lógico.
    Eu, pessoalmente, e talvez por ter aprendido a ler e a escrever no Brasil, uso o “por que” nas frases interrogativas, quando está subentendido um motivo. Ex: «Por [preposição] que [pronome relativo] (motivo) o senhor me interrogou sobre este assunto?» E o senhor responderá afirmativamente: «Porque (conjunção) gostaria de saber a sua opinião».
    Portanto, se tiver de explicar esta matéria a uma criança, que está a aprender a ler e a escrever, explico deste modo simples e lógico. Neste aspecto estou com os Brasileiros.

    É devido a ninguém se entender sobre esta e outras matérias, que cada um escreve como quer.
    Eu, que já tive de ensinar Português a crianças, nunca fui pelo caminho sinuoso, para lhes explicar as regras gramaticais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo inteiramente. Ou não tivesse Cesbron escrito que "en tout domaine, le génie de l'enfance est de découvrir l'essentiel sans connaître le nom qu'il porte".

      Eliminar
  2. Exactamente. Não podemos encher demasiado o “disco” do nosso cérebro/computador, porque ele pode “queimar”. O essencial basta para sermos bons naquilo que fazemos. Eu aprendi a tocar violão com um músico, que nada sabia de música escrita, mas eu já tinha conhecimentos de música, por frequentar aulas de piano, num Conservatório de Música. Ele, não, e, no entanto, era um génio maior do que eu. Isto para dizer que concordo plenamente com Cesbron.

    ResponderEliminar

Comentar é a melhor forma de ajudar a validar ou invalidar as convicções de quem escreve ou irá ler. Muito obrigado!