sábado, 17 de julho de 2021


Seleção das Quinas: Ordem para Recuar!

"Apesar das suas academias, dos campus, das cidades do futebol,das catedrais do futebol,
o futebol ensina pouco mais do que o supérfluo,o ostentatório, o inútil, o artificial,
sem esquecer todas aquelas coisas feias que acabam por colocar
algumas das suas mais destacadas personalidadesdebaixo da alçada da justiça criminal
"


      1. O Futebol e eu
      2. Desculpas para Todos os Gostos
      3. Preguiça, Cansaço ou Ordem para Abrandar?
      4. Lágrimas sem Suor

Futebol Profissional
O Futebol e eu

Percebo menos que nada de futebol, nem é coisa que particularmente aprecie.

Não sendo dotado, senti-me, justificadamente, nos píncaros quando depois de aturados esforços lá consegui absorver toda a matéria relacionada com a difícil problemática do fora de jogo; vibrei com a novidade do VAR – vídeo-árbitro, para quem disto ainda menos entende do que eu -; e o zénite da minha realização como futebolista de poltrona ocorreu quando, há dias, ouvi o termo trivela e, de uma só vez, consegui entender o que significava, para o efeito recorrendo a um desses filmezinhos que no YouTube ilustram tudo e mais alguma coisa, embora nem sempre com a fiabilidade que seria desejável.

Há muito se desconfiava, e os acontecimentos recentes cada vez melhor ilustram, que o assim chamado futebol profissional de profissional pouco tem além da utilidade de a si atrair a exaltação dos ânimos, melhor ou pior a contendo no perímetro dos estádios e assim permitindo desviá-la de situações em que poderia acabar por se tornar socialmente mais prejudicial ainda, se possível for.

Quanto ao mais, o que a imprensa tem vindo a divulgar da conduta supostamente cívica de uma generosa quantidade dos mais relevantes soit disant empresários e dirigentes do futebol chaamado profissional apenas lança, progressiva e, ao que parece, justificadamente, o futebol num pantanal de descrédito relativamente a qualquer plano eticamente sustentável em que o queiramos posicionar.

Num tal cenário, não me sinto elevado, orgulhoso - o orgulho era pecado, mas agora é qualidade, ao que parece -, enaltecido por qualquer feito glorioso da Seleção Outrora Campeã em Título, da Seleção das Quinas, da Seleção de Todos Nós, já que, além de um importante veículo de marketing para as trocas comerciais internacionais, se limita ela a agregar o que de supostamente melhor existe num meio que, manifestamente, em nada contribui para elevar os espíritos, a qualidade humana ou o conhecimento relevante e válido, científico ou social, que deveria estar na base de qualquer atividade e, até, da própria essência e razão de ser da espécie humana.

Quatro-três-três
Como país do terceiro mundo que, pelo menos ao nível das mentalidades, Portugal é, não espanta que os blocos noticiosos abram, por vezes, com importantíssimas notícias de tão intelectual e espiritualmente desinteressante vertente da vida em sociedade, o mesmo acontecendo com as primeiras páginas de certa imprensa escrita supostamente direcionada a outras clientelas, mas que sabe bem que os elevados espíritos desses diferenciados leitores são, também – ou especialmente – indefetíveis adeptos desses futebóis; e, por vezes, de alguns outros, também.


Desculpas para Todos os Gostos

Isto esclarecido, há que dizer que também tenho olhos na cara, que sei o que é correr, empenhar-se. Sei o que é acreditar, sei o que é querer e, como qualquer espetador incapaz de resolver complexos enunciados aritméticos como quatro-quatro-dois ou quatro-três-três, vejo bem quando alguém corre com vontade, quando está focado no jogo, puxa pelos companheiros ou, inversamente, se limita a provocar faltas, a fazer fita quando o adversário não leva cartão, ou a descarregar no árbitro uma frustração a que a diminuta intensidade de certos encontros dificilmente alguma vez dará razão.

Quando assisto a jogos como o Croácia-Espanha ou o Holanda-República Checa nos oitavos de final do Euro 2020 (e um…), vem-me à memória o vivo contraste com a primeira parte do nosso jogo nos mesmos oitavos de final, no qual o lusitano onze, às arrecuas, dobrava o corpo a meio, em pose aflita, estacionando o autocarro em frente à baliza sempre que, também adormecida, a Bélgica tinha a bola e dava uns passitos em frente - com ar não muito ameaçador.

Bem vistas as coisas, se a garbosa Seleção das Quinas não tivesse caído nesse jogo, teria caído noutro qualquer, tamanha era a falta de vontade no campo, de coragem, de ousadia, de energia; de alegria, sobretudo, que nestas coisas tanta falta faz para que aquela hora ou duas não redunde num monumental frete para atores, espetadores e outros que tais.

Felizmente, caíram os nossos guerreiros com a Bélgica, o lhes permitirá, pelo resto das suas mui desportivas e bem remuneradas vidas, dizer aos amigos, filhos e netos que perderam contra o número um do ranking da FIFA, o que alguma coisa do desaire permitirá disfarçar; e poderão, até, dizer que também a França, campeã do Mundo em título, caiu nos oitavos de final, que a poderosa Alemanha também não resistiu e que do terrível Grupo F ninguém viveu para contar, além da infinidade de desculpas que em ocasiões destas é hábito ouvi fazer ecoar.

O pior – de que rapidamente se irão esquecer - é que a França caiu, mas caiu com estrondo, frente a uma incansável e valorosa Suíça, precisamente o tal adversário supostamente mais fraco que o sábio Selecionador Nacional dizia nos oitavos de final preferir enfrentar...

Notoriedade de Méritos Duvidosos
Preguiça, Cansaço ou Ordem para Abrandar?

Ora, num espetáculo em que a assistência parece transbordar de alegria e os jogadores, com vantagem, uma boa dose dela poderiam usar, este Selecionador Nacional, a única vez que lhe vi um sorriso foi naquele também desengraçado outdoor em que dizia já ter ido ao Fluviário de Mora. Quando lá foi, espero que não tenha sofrido e resmoneado muito durante a visita, ou os peixinhos terão, por certo, ficado tão enjoados, tão desmotivados como, no jogo decisivo, a nossa Seleção parecia estar.

Não haverá, mesmo, alternativa viável? É que este homem, que tudo leva a crer ser bom e sério, parece ter já aprendido, no meio do futebol, o velho truque dos políticos que nele se misturam cada vez mais: nunca arriscar e, quando a coisa dá para o torto, assumir, teoricamente, as responsabilidades, na prática, as consequências rejeitar.

Talvez com o inconfessável propósito de esbracejar procurando manter-se à tona de uma notoriedade de méritos duvidosos, antes e durante o desafio mostravam-se às câmaras da televisão alguns outrora craques, hoje recauchutados, fora de prazo e que, talvez para parecerem ainda jovens, seguem os tiques de penteado daqueles que ainda mexem, assim se demonstrando, também aqui, que, apesar das suas academias, dos campus, das cidades do futebol, das catedrais do futebol, o futebol ensina pouco mais do que o supérfluo, o ostentatório, o inútil, o artificial, sem esquecer todas aquelas coisas feias que acabam por colocar algumas das suas mais destacadas personalidades debaixo da alçada da justiça criminal.

Na final, ganha-se ou perde-se; no plano desportivo, evidentemente, já que o abundoso pecúlio percebido por quantos vão ficando pelo caminho também não será, propriamente, coisa de se desprezar…

Mas aquele jogo dos oitavos de final era capital, era, como qualquer outra eliminatória, uma final, já que, sem o ganhar, a Seleção Outrora Campeã em Título levaria para casa apenas uns trocos no bolso e o amargo de boca de nem ter chegado à final em que um tudo ganha e, do outro, rapidamente ninguém se irá lembrar, o que, depois de tanta luta, deita qualquer um abaixo, dentro e fora do campo, nos tais desportos que, como os de bola, lá vão servindo para fingir que, pelo menos naquilo, somos tão bons ou melhores do que aqueles que dizem saber analisar e comentar.

Naquele nosso jogo dos oitavos, não havia chama, vontade, equipa; apenas uma exibição muito cerebral e calculista por parte de uma dúzia de milionários doutores da bola, cheios de táticas na cabeça, mas, talvez com uma ou outra exceção, sem garra, sem capacidade de dar vida à competição.

Ou teria o Técnico dos Empates dado contrária instrução?

Portugal passava bolas entre peões que faziam lembrar bonecos inanimados de um jogo de matraquilhos; outras seleções corriam, corriam que não se fartavam - coisa que, no futebol como no resto, os Portugueses de hoje parecem já não ter grande capacidade ou vontade de fazer – e, quando caiam, era com a satisfação, não apenas do dever cumprido, mas também de ter procurado ultrapassar em muito esse dever.

Demonstração de Boçalidade
O onze português finalmente reagiu, na segunda parte, já o caldo estava entornado.

Dir-se-á, como sempre, que o que importa não é o espetáculo, mas sim ganhar. Até pode ser verdade, mas desde que se ganhe, ou, nem pelo espetáculo, da vitória moral a memória irá perdurar.


Lágrimas sem suor

Estariam os excelentíssimos e mimados futebolistas sentidos com o facto de, por uma natural demonstração de boçalidade por parte de quem deveria saber estar e, nesse campo, não é, seguramente, o campeão, terem os mais altos magistrados da Nação acabado por não assistir àquele espetáculo de tamanha falta de desportiva abnegação? Duvido.

Independentemente de quem possa estar a assistir, correr do princípio ao fim exige forma física, persistência, trabalho árduo, acreditar para além do possível, coisas com que apenas um ou outro dos futebolistas da Seleção Outrora Campeã em Título parece comprometer-se e, assim sendo, nos faz desconfiar que, mais uma vez, a ordem do Selecionador Nacional não terá sido para atacar, mas para aguentar.

A Croácia caiu nos oitavos frente à Espanha, mas caiu de pé, “como as árvores" e após prolongamento. A República Checa desfez a muito forte Holanda. Até a fraquinha Ucrânia eliminou a Suécia e apenas caiu frente à finalista Inglaterra, que tão caro vendeu a derrota, também.

Portugal, caiu sentado a fazer contas de somar, com uma equipa a ouvir, desolada, apelos e preces do tristonho e lamuriento Selecionador Nacional.

Esperar-se-á, assim sendo, que fiquemos comovidos com o facto de alguns destes milionários da bola terem ido para o balneário chorar?

No Fim do Dia
No fundo, se o futebol é, para quase todos nós, o mais importante da vida de todos nós, não espanta por aí além que o pouco empenhado desempenho da Seleção das Quinas seja, de alguma forma, o espelho da maior parte de nós, que lá vamos trabalhando nos nossos empregos, mas somos incapazes de nos unir e de agir de forma responsável numa situação de grave emergência sanitária a nível nacional.

Feitas as contas - ou no fim do dia, como agora é chic dizer... -, ainda bem que caímos cedo: em plena pandemia - do que muita gente parece que já se esqueceu -, com uma parte expressiva população composta por inconscientes e básicos alarves capazes de tudo sacrificar a uma comemoração parola, e na vivência de uma das mais tristes e amadoras desgovernações de que sou capaz de me lembrar, ainda bem que não houve oportunidade para grandes festividades, ou o grande vencedor seria, uma vez mais, o famigerado índice de propagação.

Mas, por que me ralo com isto eu, que nem gosto de futebol?

- x - x -

A Câmara Municipal de Lisboa era, nos termos da lei,
obrigada a impedir as comemorações do Sporting

Veja aqui porquè!

1 comentário:
  1. "No fim do dia" já oiço essa expressão desde qe comecei a trabalhar há onze anos. Era muito usada na minha empresa lolol sobre o futebol, a redução dos festejos em cenário de pandemia é de facto a única coisa positiva.
    O futebol hoje em dia é uma industria, em que se transaciona o talento de um ser humano por valores absurdos.

    ResponderEliminar

Comentar é a melhor forma de ajudar a validar ou invalidar as convicções de quem escreve ou irá ler. Muito obrigado!