sábado, 31 de julho de 2021


Otelo: O Espinho que nem a Morte Arrancou

Propositado, necessário ou acidental, o bem que se faz gera, em quem o pratica,
inilidível responsabilidade pela perpétua dignificação da memória dos feitos
junto de quem deles se apercebeu, pelo que nenhum ídolo tem o direito de
boicotar a própria obra; e, em matérias tão importantes e sensíveis
como a Liberdade e a Democracia, não pode a tal ponto desiludir, quase renegar

      1. Fala Breve sobre a Motivação
      2. A Dívida dos Portugueses
      3. O Homem da Revolução
      4. O Lado Mais Negro
      5. Anedotário Politicamente Correto
      6. Cuidar do Futuro
      7. Requiescat

Sobre a Motivação
1. Fala Breve sobre a Motivação

No Palácio da Pena, em Sintra, existe a Sala das Pegas*), cujo teto está pintado com cento e trinta e seis destes pássaros – a quantidade de damas da corte na altura -, cada uma das quais segura a rosa que simboliza a Casa de Lencastre e ostenta, junto ao bico, os dizeres “POR BEM”.

Conta-se que, na origem da pintura, terá estado um beijo que El-Rei Dom João I, marido de Dona Filipa de Lencastre, dera a uma cortesã, gesto testemunhado por uma dama da corte que, qual pega tagarela, terá ido piar ao ouvido da Rainha o ternurento evento.

Justificando-se, responderia o Rei a Dona Filia que beijou “por bem”, com tal expressão querendo afastar qualquer condenável intenção.

- x -

Foi sem querer”. “Foi por bem”.

Quantas vezes não ouvimos já, às crianças grandes que somos e às verdadeiras crianças, expressões como estas procurando justificar algo de menos bom que se fez por acidente? Ou, até, com boa intenção, mas com alguma falta de jeito, qualquer das duas expressões apenas visando fazer aceitar o que, por vezes, parece injustificável, desde um simples pecadilho a uma morte às mãos de alguém.

À morte sem intenção às mãos de alguém, ora chama o Direito crime por negligência, ora legítima defesa, e a pena aplicada é relativamente leve no primeiro caso e, até, inexistente no outro, já que seria aberrante punir quem mata ou fere para se defender ou para salvar a vida de outrem.

Deixando o contexto penal, no mundo dos comum mortais quem também “sem querer”, por mero acaso, obtém um bom resultado para outros, não pratica, na verdade, uma boa ação; logo, não merece especial louvor, já que nada terá, propositadamente, feito para que esse bom resultado acontecesse.

De igual modo, quem, já não “sem querer” mas deliberadamente, com má intenção, acaba por praticar uma boa ação, faz, também uma obra sem mérito, pois com má intenção e a título meramente instrumental a fez.

Ou seja: fê-lo, porque, para alcançar o resultado censurável que o movia, era imprescindível praticar esse tal bem que, mais tarde e sem qualquer mérito, os beneficiários, enganados e indevidamente agradecidos, lhe viriam a atribuir.

- x -

A Conduta do Agente
Numa sociedade que se pretenda minimamente civilizada e evoluída, a valoração da conduta do agente, depende menos do resultado, bom ou mau, do que da motivação na sua génese; e isto vale, tanto para o Direito, como para a Ética, como deveria valer para o desenho da imagem mais ou menos folclórica da personagem, daquilo que, dos seus feitos, fica para contar.

Assim, aquilo que, em dado momento e com resultado positivo acidental para o bem comum, alguém possa ter feito antes não desculpa o mal que vier a fazer depois - ou a quantidade daqueles que na cadeia as culpas purgam seria, seguramente, muito inferior.

 

A Dívida dos Portugueses

Não vou preocupar-me com a demonstração de factos que bem altas instâncias já deram como provados: cingir-me-ei, unicamente, à interpretação dos mesmos tal como me chegaram e que demonstram, antes de mais, que a responsabilidade do então Major Saraiva de Carvalho no êxito da revolução que viria a derrubar a ditadura é inquestionável, e é, e será sempre, digna de assinalável registo histórico, ou jamais seria credível a História.

A fazer fé nas palavras do próprio e relembrando aquilo que, à época, se ouviu e a que se assistiu, o Senhor Major não foi apenas o comandante operacional: foi a mente por detrás do planeamento do golpe militar. Foi, a bem dizer, quase tudo, sendo digna de especial menção a brilhante estratégia de, antecedendo qualquer ação armada de maiores dimensões que poderia resultar num banho de sangue, ordenar a tomada das principais estações de radiodifusão e de televisão.

Silenciou, assim, o regime e, simultaneamente, assegurou, numa altura em que ainda não se falava de telemóveis, um veículo eficaz e simples de comunicação com os revolucionários espalhados por todo o País. Isto, sem esquecer a excecional relevância da ativação de escutas das conversas dos governantes entre si por se haver assegurado, previamente, a colaboração da Escola Prática de Transmissões*).

Entretanto, sob o comando do Capitão Salgueiro Maia*), avançava sobre Lisboa uma gigantesca coluna armada até aos dentes que, num primeiro momento, não passava, afinal, de uma genial manobra de diversão destinada a desviar as atenções das outras e primordiais operações.

Otelo Saraiva de Carvalho
Sem prejuízo de o 25 de Abril, mais tarde ou mais cedo, sempre acabar por acontecer, no planeamento e, talvez sobretudo, no improviso - inevitável em qualquer operacionalização -, dificilmente alguém com menos chama, menos vivacidade, menos carisma teria sido tão eficaz como Saraiva de Carvalho, a quem se deve boa parte do retumbante e tanto quanto possível pacífico sucesso da Revolução - goste-se ou não do Major e da Revolução.

- x -

Já a atuação subsequente, não só pelo que fez, mas pelo que disse sem hesitação ou pudor, dúvidas não pode deixar quanto à certeza de que, quanto na Primavera de 74 fez de bom, lhe granjeou, para toda a vida e além dela, um estatuto que as qualidades pessoais manifestamente não mereciam e com o qual nunca soube lidar; e não deixa, também, dúvidas de que, na base de quanto fez, jaziam projetos e intenções dos quais custa até falar.

A evolução pela via democrática do "País que em 25 de Abril viu abertas com estrondo Pá as portas de uma esperança Pá enorme Pá no Futuro" acabaria por desiludir, profundamente, o Herói a quem arrepiava a "democracia representativa ocidental burguesa" e não escondia que “não viemos aqui para assaltar o poder. Mas queremos transformar o poder” - que, à data, já era democrático, algo que, na visão distorcida do Major, seria, sempre, de condenar.

Quaisquer incertezas que subsistissem relativamente ao que entendia por liberdade e democracia, ficaram definitiva e inequivocamente esclarecidas na sua frase “custa-me a admitir que, estando nós a fazer uma revolução decididamente no campo da esquerda, possamos admitir vozes de direita. Pessoalmente, isso repugna-me, mas, democraticamente, no âmbito da democracia ocidental burguesa, tenho de as acatar e respeitar*).

De outra forma dito: uma democracia em que todos votassem naquilo a que Saraiva de Carvalho chamava esquerda revolucionária - na qual, graças ao estatuto de heroico libertador, as suas modestas qualidades intelectuais de alguma forma pudessem brilhar - estava muito bem.

Mas, nada mais.

- x -

Apesar de toda a sua propensão para o mediatismo, demonstrou ignorar que, propositado, necessário ou acidental, o bem que se faz gera, em quem o pratica, inilidível responsabilidade pela perpétua dignificação da memória dos feitos junto de quem deles se apercebeu, pelo que nenhum ídolo, seja de quem for, tem o direito de boicotar a própria obra; e, em matérias, tão importantes e sensíveis como a Liberdade e a Democracia, não pode a tal ponto desiludir, quase renegar.

Dever Histórico de Agradecer
O dever histórico de agradecer ao competente Oficial pelo que fez para derrubar a ditadura rápida e implacavelmente cedeu perante todo o aberrante que, nascido deste enviesado conceito de democracia, se lhe haveria de seguir.

O que de bom possa ter feito, começou em Março de 74, e logo em Abril seguinte terminou.

O que depois disse e fez demonstra que, desde o início, agiu com propósitos de tal maneira inconfessáveis que obnubilam por completo o mérito residual pela organização e operacionalização do golpe militar, pelo qual muito mais devemos à abnegação e coragem daqueles que, ao longo do tempo, sempre se souberam comportar, e o 25 de Abril souberam dignificar.

 

O Homem da Revolução

Como qualquer um pode ler nas entrelinhas da imprensa de agora e da de há mais de quarenta anos, a personalidade do Extinto era tudo menos complexa, antes de uma simplicidade atroz: tratava-se de um indivíduo intelectualmente pouco dotado, sanguíneo de carácter, sanguinário de temperamento e de educação e instrução assaz elementares no que não dissesse respeito ao combate e à ação militar.

O facto de ter sido um homem dito de esquerda radical que, apesar disso, dizem as más-línguas ter trabalhado para a Comissão de Censura - entre outras incoerências de percurso - não pressupõe qualquer complexidade, antes transmitindo uma ideia de confusão, de indecisão ou, mais simplesmente, de uma absoluta ausência de ideais além de, ora este, ora aquele que aqui ou ali ia apanhar.

De raciocínio e discurso mais que elementares, nele não sobressaía uma espinha dorsal, pessoal ou política: mais parecia um daqueles ditadores pantomineiros que se apoiam no que e em quem lhe vier à mão, só não tendo levado a bom porto os seus desgraçados intentos por ter sido travado a tempo por outros militares, pelas forças de segurança, pelos tribunais e, antes disso, pela clareza do voto popular.

Como ideal, Saraiva de Carvalho tinha, notoriamente, uma narcísica ânsia de protagonismo, anos depois bem patente no símbolo da Força de Unidade Popular (FUP)*)- e que, como caso de estudo, importaria, provavelmente, à investigação de alguma mais ou menos interessante patologia -, bem como uma sede de poder pessoal impossível de cercear.

Presidência da República
Não pode, é verdade, dizer-se que esta postura difira substancialmente da de certos governantes e outros políticos também sem conteúdo ideológico bem definido que em certos regimes ditos democráticos operam e não passam, afinal, de operacionais da luta pela própria imagem e pela saúde do respetivo património, em terras onde a corrupção continua, com o freio nos dentes, a cavalgar. Deve, no entanto, notar-se que, contrariamente a estes, Otelo Saraiva de Carvalho jamais quis assumir a liderança do Estado num quadro democrático, quando teve oportunidade para tal: apenas viria a candidatar-se à presidência da República, cereja no topo do bolo da imortalidade que sempre almejou ganhar.

Estaria, apesar de tudo, ciente de que, apesar da indiscutível competência no plano militar, não detinha qualificações mínimas para governar e que, aceite o poder e exercido este de forma incompetente, se iria a sua bem querida imagem, inexoravelmente, degradar?

- x -

Um patente e avassalador complexo de inferioridade relativamente àqueles a quem, num plano que não fosse o das armas, o Major jamais poderia surgir como igual estava, possivelmente, na origem do ódio mortal pelos opositores sentido por alguém que sempre achou que “se tivesse cultura livresca, podia ter sido o Fidel Castro da Europa”.

Bem, se não tinha, tivesse tratado disso, já que de tal nada nem ninguém o impediu, além da vontade própria de se dedicar a outras artes que conhecemos. Graças a estas, pode alimentar o desgraçado sonho da tomada do poder pela força e posterior instauração de um regime que nada tinha de democrático, antes passando por um Projeto Global dominado por um partido político radical e apoiado por um exército revolucionário que não olharia a meios para garantir a implementação das suas políticas governamentais, “visando a destruição, pelas armas, do regime democrático português*).

Ora, poderá o propósito de eliminação pura e simples de quem não se enquadrasse na tal definição muito própria de democracia - fuzilar os contrarrevolucionários no Campo Pequeno*), quem sabe se depois de os tourear - deixar de nos lembrar, salvas as devidas distâncias e proporções, um alucinado que, décadas antes e apoiado por fidelíssimas, hipnotizadas e poderosas forças armadas e de segurança implementou, não um projeto global, mas uma Solução Final igualmente pensada para a eliminação dos que, na sua doentia opinião, não eram dignos de respirar o mesmo ar que ele?

Será caso para se pensar...

 

O Lado Mais Negro
O Lado Mais Negro

Para vergonha imensa de todos nós, o Português que, com especial preponderância, organizou e operacionalizou o 25 de Abril de 1974 era adepto do terrorismo ideológico, e não tinha qualquer vergonha de considerar fascistas as democracias de tipo ocidental.

Provou-se que cometeu e mandou cometer crimes - não apenas "excessos" -, e o facto de a condenação inicial ter sido revertida por decisão do Tribunal Constitucional*), amnistia ou indulto e ter sido dispensado da pena ainda não cumprida em nada diminui a forte e dolosa culpa ou contamina a decisão relativa à prova dos factos.

Assim, dúvidas não restam de que o posterior sucesso do Major Saraiva de Carvalho na agregação de vontades de uns quantos visionários radicais como ele - que culminaria na formação das Forças Populares 25 de Abril (FP-25) de má memória - apenas serviu para espalhar, nos espíritos da população, o medo; nos corpos a mesma morte que, de forma bem mais pacífica, agora o veio chamar.

Pela força, procurou implementar um reinado de autêntico terror que, sucesso tivesse tido, não hesitaria, como a tentativa não hesitou, em recorrer à banalização do homicídio com dolo direto puro e simples*); à detonação de engenhos explosivos em representações diplomáticas e instalações militares, com o intuito de outras vidas tirar; ao roubo à mão armada a inúmeros bancos para se financiar, e a instalações do Estado para de se apropriar de impressos que permitissem às FP-25 diversos documentos falsificar; à emissão de mandados de captura em branco para mais facilmente ser perseguido quem ao caminho se lhe viesse atravessar.

Não me lembro, em contrapartida, de ter ouvido falar de sequestros: as FP-25 não faziam prisioneiros. A ordem era, sempre, para matar.

Uma antiga piada de gosto duvidoso dizia que os comunistas comiam criancinhas ao pequeno-almoço, o que não era, evidentemente, verdade; mas era verdade que, sem piedade e pelas mãos das FP-25, Otelo mandava matar-lhes os pais*).

- x -

Quem não acreditar neste rosário de crimes dados como provados, que ataque específica, lúcida e fundamentadamente a prova produzida e validada em juízo, ou para sempre há de se calar: bramar à toa contra uma sentença apenas causa alarde e ofende o sistema judiciário que garante a segurança e a paz social, inclusivamente a esses mesmos que o atacam apenas quando à defesa da memória dos seus pouco merecedores heróis isso convém.

Chocam-se, e ajudam à festa do vexame público, quando agora algum outro assassino é condenado - especialmente se tiver vitimado alguém das relações deles. Nesses casos, não se preocupam em criticar as decisões judiciais. Já no caso do Major Saraiva de Carvalho, indignam-se quando se belisca a imerecida e distorcida imagem que o próprio a tantos trabalhos se deu para criar e fazer admirar.

FP-25 Forças Populares 25 de Abril
Chamar romântico e idealista a quem, sem remorso, por um difuso ideal manda matar, apenas fará sentido aos olhos dos que consideram o caminho do roubo e do assassinato como uma mera escolha infeliz, e entendem que algo tão inqualificável como as FP-25 faz parte da inenarrável utopia com que gostam de sonhar.

Diz-se, com verdade, que o 25 de Abril é historicamente mais importante do que as FP-25, que lhe são marginais. Mas Saraiva de Carvalho foi protagonista também nessa Frente terrorista que tentou subverter os ideais da Revolução dos Cravos; e, ao contrário da maior parte dos outros heróis de Abril, fez parte da gente que não soube nem sabe estar.

Anedotário Politicamente Correto

De mortuis nihil nisi bonum *) está muito bem, mas não apaga a memória individual ou coletiva, e apenas é de seguir desde que algo de fundamentalmente, de estruturalmente bom haja a dizer de quem morreu, e não apenas de um ou outro feito mais ou menos sensacional se possa falar.

Não sendo esse, propriamente, aqui o caso, o chavão da personalidade complexa foi a forma elegante que lá encontraram políticos proeminentes e comentadores já não muito incipientes para definir o popular Defunto, assim procurando fugir a acusações de maledicência comezinha e esquivando-se a, sobre ele, ter de dizer algumas coisas necessariamente embaraçosas tratando-se de quem se trata, fossem elas “boas” ou “más”.

Não passam, pois, no quadro aqui descrito, de desengraçadas anedotas as que saem da boca ou da pena de quem pretende estarmos perante de um "enfant térrible" com uma "história empolgante e apaixonante para contar", e uma "personalidade complexa" e dominada por um intrigante "lado lunar".

Bem pelo contrário, das públicas palavras proferidas após a morte - e dos não menos públicos e eloquentes quase silêncios - por quem a seu lado lutou ou nele acreditou, apenas pode concluir-se que o agora Tenente-Coronel não passou de um alucinado sem qualquer vontade de liberdade que não fosse a dele, sem sentido de responsabilidade democrática, sem qualquer competência além da inerente à conceção e operacionalização da preferencialmente violenta ação – sem prejuízo, naturalmente, do derramamento de sangue que, em 25 de Abril, a sua notável capacidade de organização permitiu evitar.

Para muitos, um grande incómodo político enquanto viveu. O mesmo incómodo agora, que morreu sem que alguém que queira ficar bem na fotografia dele aceite dizer alguma coisa: mal, não pode, por causa do dever histórico de agradecer o bem, ainda que acidental; bem, também não, já que dispensar encómios a quem demonstrou ser o que a História sabe que era acarreta um custo político que se não pode desconsiderar.

Verdadeira Liberdade
Saraiva de Carvalho era corajoso, sem dúvida; temerário, até. Foi o comandante da operação, o responsável máximo, o que mais arriscou.

Mas arriscou por ele mesmo, por aquela que, do que mais tarde fez e das palavras que proferiu, emerge como a sua verdadeira e inconfessável causa. Outros, muitos outros, arriscariam tudo lutando por todos nós, pela verdadeira Liberdade. Como entender que um seja mais falado e louvado do que os outros?

Luto nacional? Discorde-se do Governo no que se quiser, mas aqui não é possível deixar de acompanhar.

No entanto, lá conseguiu a sua homenagem: embora em Julho, não em Abril, morreu a 25, distinção que lhe fez, quem sabe, um Além capaz de descortinar para lá dos atos cujas motivações perversas e distorcidas as nossas limitadas e imperfeitas mentes não sabem aceitar; e os nossos corações sangram por não poder negar.

 

Cuidar do Futuro

Não se ouve muito a gente mais nova falar de Otelo Saraiva de Carvalho, mas é pena: como os jovens não viveram as emoções de Abril, estão, talvez, mais habilitados a julgar com objetividade a pureza, a crueza dos factos, sem preocupação com a memória e com o politicamente correto, e sem receio de derrubar de um esboroado pedestal de barro quem há muito lá não deveria estar.

Gratidão aos corajosos Capitães por tudo aquilo que o 25 de Abril significou e significa para cada um de nós, todos a sentimos; em alguma medida, mesmo quem a data faz questão de, estupidamente, continuar a invetivar.

Mas a data tem suficientes heróis, verdadeiros heróis, para que, presa da emoção excessiva e da memória curta, a sua lembrança fique excessivamente dependente de um protagonista que, além da atuação naquele incomparável e decisivo mês de Abril, pouco deixou para louvar.

Nada há de mais natural do que cada um de nós povoar o imaginário com os seus ídolos, e quase os endeusar na exata medida em que a nossa endémica insegurança o recomendar: sentimo-nos mais seguros, sentimos que fazemos parte, que somos importantes ao projetar neles as qualidades que gostaríamos de ter.

Ficamos felizes quando os tais ídolos nos entram em casa pela televisão, quando dizem bem deles, quando têm sucessos, quando marcam um golo. Pelo contrário, ai de que diga mal deles e, se algum não defende um remate ou, pior, a equipa perde, pobres de nós e, sobretudo, daqueles que levam com os despejos mais ou menos explosivos das nossas emoções.

Cromos da Bola
Aos cromos da bola tudo é permitido; e, afinal, pouco importa, já que nos seus pés apenas uma bola está em jogo: nada que a Humanidade possa, verdadeiramente, afetar. Mas a apreciação da pessoa e o julgamento dos atos do então Major Saraiva de Carvalho não pode fazer-se com a ligeireza e o fanatismo inconsequente de quem comenta um desafio de futebol: louvar, apaixonadamente esta sem dúvida importante pessoa é defender e enaltecer os seus feitos, todos os seus feitos, e subscrever, não apenas todos estes, mas a forma de estar na sociedade e na vida a que, com boa parte deles, nos quis condenar.

O que gostaríamos de ver amanhã em Portugal? Será, mesmo, o jugo terrorista de uma ditadura popular? Será a imagem do agora Tenente-Coronel Saraiva de Carvalho o ideal de Cidadão que  aos nossos jovens queremos passar?

Se não é, vamos lá arrefecer um pouco o ânimo e selecionar com alguma objetividade e critério aqueles que queremos e devemos elogiar…

 

Requiescat

Desenganem-se os que ainda pensam que há dias morreu o alguém de "pouca cabeça e muito coração" de que o recente anúncio de cerveja nos vem falar: quem, há dias, morreu foi um ídolo de pés de barro, o implacável comandante do COPCON, o rosto da FUP, o homicida por detrás das FP-25, o autor e promotor da aberração que, a exemplo de outros ditadores, queria impor a todos nós: o muito seu Projeto Global de imposição, pela força dos explosivos e das armas e ordenando a aniquilação dos adversários, daquilo a que chamava verdadeira democracia, mas não passava de um reinado de terror.

A América Latina teve Guevara. Por cá, e à nossa maneira incuravelmente tuga, tivemos um aluado que nem lhe chegava aos calcanhares e tudo fez para aniquilar, subvertendo-o, o regime democrático que dizia defender e que, por ser instrumental na senda de um objetivo pessoal, com inegável coragem e dedicação num curto e muito feliz momento acabaria por ajudar a implantar.

No dia 25 de Julho de 2021 morreu um duro e rude, mas muito competente,   operacional e estratega, a quem, em vida, a maior parte dos políticos viraria a cara, se pudesse, e agora, morto, reza para que dele lhe não venham falar.

Para os radicais de esquerda que se não podem dar ao luxo de deixar de o idolatrar e para os verdadeiros e valorosos Capitães de Abril, de nobres propósitos a que se mantiveram fiéis, e que souberam, cada um, ocupar na vida posterior o respetivo lugar, o Tenente-Coronel Saraiva de Carvalho foi, será sempre, o espinho que nem a morte soube arrancar.

O quam cito transit gloria mundi!


Outros Temas que Poderão Interessar-lhe:

- Uma Espécie Muito Nossa de Demagogia à Portuguesa Leia AQUI
- Demonstração Lógica da Existência de Deus Leia AQUI
- Será a Vontade o Único Requisito de um Candidato a Eleições? Leia AQUI
- Existe uma Linguagem Inclusiva? Leia AQUI
- Como Explicar o Racismo? Leia AQUI
- Otelo Desconhecido Leia AQUI
- PCP: Uma Relíquia Leia AQUI
- Receita Simples para Abreviar a Interminável Espera pelo Socorro do INEM Leia AQUI

~~
16 comentários:
  1. Conheci o Otelo no antigo quartel de Lanceiros 2 (Pol. Mil.), na Ajuda, pouco tempo depois da data memorável, e para outros nem tanto...
    Foi um encontro na messe de oficiais. Era eu miliciano nesa época do 25 de Abril... e foi algo de muito passageiro nessa altura. Viveu-se um momento inesquecível e para quem vinha de tempos muito cinzentos tudo pareceu deslumbrante.


    Mais tarde, já com o serviço militar cumprido, encontrei-o outra vez, algures...

    O que realmente acho é que se as gerações seguintes derrubarem as estátuas dos que consideram indignos, então, há muitas para derrubar.

    Otelo, controverso, impulsivo e quiçá irresponsável depois daquele dia, sabe-se lá se influenciado por forças oportunistas, mas, nem por isso, criticável no que tiver que ser...
    Se formos justos tambem Spínola seria objecto de um comportamento nada adequado à democracia, não é !?

    E o Sebastião, o Marquês, não estaria hoje nos píncaros da torre de pedra com o leão... e tantos outros, considerados heróis e de "grandes méritos", talvez à luz de outros olhares não ocupariam o tal lugar na história...

    Uma coisa é certa: a não atribuição de um maior destaque a Otelo agradou a muitos, quase com uma vingança...
    A História continua...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo seu comentário!

      Concordo, naturalmente, com boa parte do que escreve, embora me pareça existir uma substancial diferença relativamente às duas personalidades que refere - e muitas outras poderia, por certo, acrescentar, tanto em Portugal como lá por fora. É que, seja lá qual for o ângulo a partir do qual as contemplemos, nenhuma delas poderá alguma vez confundir-se com um herói popular, pelo que não tinha, enquanto tal, qualquer imagem ou expetativa a conservar.

      De facto, mais do que os crimes posteriormente cometidos ou mandados cometer pelo Tenente-coronel Saraiva de Carvalho - atos esses que, perdoar-me á, no plano ético ou no de qualquer ordem jurídica digna desse nome as eventuais impulsividade ou a irresponsabilidade jamais desculparão -, penso que o que pulveriza o seu legado heroico e dificilmente igualável do ponto de vista do génio militar, é o facto de haver, de forma consciente, destruído a imagem que, com responsabilidade sua, dele foi criada no imaginário de um povo amordaçado e oprimido de forma absolutamente inaceitável que, sobretudo nesse tempos conturbados, tanto necessitava de ídolos: não como alguns desse tolos que por aí aparecem agora, mas de seres humanos verdadeiros que lhe dessem alguma esperança no resultado da verdadeira democracia, da plena liberdade pela qual, com toda a legitimidade, o mesmo povo julgava que o então Major estaria a lutar.

      Aliás, o seu comentário ilustra bem o que digo: 'Viveu-se um momento inesquecível e para quem vinha de tempos muito cinzentos tudo pareceu deslumbrante'.
      Pois é, precisamente, aí que reside o problema; é, exatamente, por isso que, de modo nenhum, poderia ter acontecido o que depois aconteceu.

      Como digo, Saraiva de Carvalho era, como qualquer outro herói, responsável pela perpétua dignificação da memória dos feitos por ele realizados junto de quem deles se apercebeu e nele tanta esperança depositou; e nenhum ídolo tem o direito de boicotar uma tal obra.

      Ele, boicotou...

      Eliminar
  2. Nao costumo fazer comentarios quando o assunto envolve política, direta ou indiretamente, isto porque deixei ha muito tempo de acreditar nas boas intencoes, nao das políticas, mas mais dos que as protagonizam e as defendem porque na minha opiniao as ideologias, quantas vezes à primeira vista atè interessantes, mudam assim que quem as defende e divulga delas colhe algum, ou muito, poder. O meu pai costumava dizer que ha gente muito séria mas a tentaçao do dinheiro troca-lhes as voltas. O poder exerce as mesmas tentacoes se nao mais.
    Quando se deu o 25 de Abril eu tinha cerca de 10 anos de idade, e do que me lembro, visto na minha perspetiva de criança, Otelo era um heroi da revoluçao, talvez porque, tambem da minha perspetiva de criança, ele tinha uma forte presença como homem militar. Depois mais tarde ouvia falar dos atentados à bomba das FP25, do seu nome a elas associado etc. Fiquei confuso.
    Anos mais tarde, na radio Felgueiras eu fazia um programa chamado Musica e Letras, e um dia fiz um programa dedicado a Zeca Afonso. Otelo Saraiva de Carvalho, com a ajuda de Zelia Afonso, a viuva de Zeca, deu um depoimento em exclusivo para o meu programa acerca de Zeca Afonso em que, passados tantos anos ainda pareço ouvir a sua voz forte e vincada a começar o depoimento assim...Aos meus bons amigos de Felgueiras...
    Nessa altura senti uma certa vaidade, confesso, de ter um depoimento gravado em exclusivo para o meu programa desde a prisao em Tomar, onde Otelo se encontrava a cumprir pena.
    Este artigo està muito bem escrito, e se do 25 de Abril, proporcionado ao povo portugues por um punhado de herois, uns talvez mais bem intencionados do que outros, podemos dizer, è que dessa revoluçao nos podemos regozijar de ler artigos como este e de os poder comentar quer seja com opinioes a favor ou contra. So por isso, ou tambem por isso, valeu a pena a revoluçao, vale a pena a liberdade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, inteiramente.
      Obrigado por partilhar a sua experiência, e pela apreciação que faz do texto publicado.

      Eliminar
  3. Existem muitas dúvidas em relação a Otelo. Foi um oportunista do seu tempo ou antes cata-vento político? Qual a ideia em ter visitado a Cuba, em Julho de 1975 e a seguir ter boicotado o 5.º governo de Vasco Gonçalves que era, até ao momento, o governo mais revolucionário que o país havia conhecido?
    Porque não se manifestou ao lado dos trabalhadores, a seguir a uma manifestação da extrema-esquerda, na Praça do Comércio (que foram ter com ele ao palácio Foz - um dos trabalhadores desesperado pediu que atirassem Otelo pela janela)? Porque foi ter com Almeida Santos, logo a seguir a esse episódio, manifestando a sua desilusão com o rumo dos acontecimentos?
    Qual o seu verdadeiro papel no 25 de Novembro? Foi ele quem enviou a mensagem para os paraquedistas saírem e, assim, dar início à contrarrevolução? No seguimento deste episódio, a SIC promoveu um debate 20 ou 25 anos depois em que o mesmo não confirmava e nem desmentia ter enviado a mensagem.
    Creio que Otelo é demasiado dúbio mesmo como revolucionário, tal como uma certa esquerda diz hoje ser.
    A faceta de amigo do povo e a propaganda em torno das suas campanhas presidenciais exageraram a ideia de um Otelo amigo e revolucionário. Creio que ele não foi nada disso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São, sem dúvida, questões pertinentes.
      Muito obrigado pela sua participação.

      Eliminar
  4. Lido o artigo reconheço algumas das facetas de Otelo. Mas, na generalidade dos factos apresentados como inegáveis, não verifico existir mais do que uma opinião sobre provas de circunstância que um tribunal, a quente, achou bastante para fazer juízo e julgar. Como conheci e entrevistei Otelo tenho uma visão bem alternativa dos factos. Não digo que seja boa ou má, é apenas a minha. Assim sendo, para mim, Otelo Saraiva de Carvalho rimará sempre com cravos, liberdade e coragem. O génio operacional que combateu e deitou por terra uma ditadura, em 1974, no dia 25 de abril, com flores em vez de balas. Há muitas revoluções na história, imensas, mas apenas uma teve este desfecho e foi a nossa. Obrigado Otelo.

    ResponderEliminar
  5. Muito obrigado pela sua elaborada opinião!
    Permito-me, no entanto, recordar que, não apenas um tribunal de primeira instância julgou, porventura 'a quente' como diz' as provas apresentadas, como os factos foram, ao que julgo saber, validados muito mais tarde pelo douto acórdão do Tribunal Constitucional que, por razões a eles alheias, viria a anular a primeira decisão; e, num estado de direito, uma vez seguida a tramitação constitucional e legalmente preconizada, a prova é dada como firmada, não me sendo, a partir daí, legítimo duvidar das conclusões.
    Por isso, e sem prejuízo de ter de admitir, como em tudo, a possibilidade de erro, me baseio nos factos judicialmente validados, como entendo que cumpre a qualquer cidadão.
    Seja como for, o Tenente-Coronel Saraiva de Carvalho jamais deixará de suscitar gratidão e de rimar com 'cravos, liberdade e coragem', e o seu génio operacional que, mais do que qualquer outro fator, evitou o derramamento de sangue, ninguém no seu perfeito juízo alguma vez deixará de reconhecer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acontece, como o António deve saber, não raramente no decorrer da história dos povos a justiça não cumprir de forma isenta e exemplar o seu papel, seja um tribunal comum ou um constitucional. No seu caso as afirmações que faz são efetivamente baseadas nos resultados apresentados em julgamento e acórdãos, acho isso correto, mas não obrigatoriamente prova de verdade, pelo menos não inequívoca. A minha opinião teve por base o conhecimento do homem, pode efetivamente ser mais emocional e sensorial do que uma verdade absoluta, porém, neste caso concreto, acho que a história acabará por ver o que eu senti e acreditei como verdadeiro. Obrigado.

      Eliminar
    2. Uma vez mais, Caro Gil, muito obrigado por ter aceitado partilhar.

      Eliminar
  6. Análise cuidadosa dos factos. Compreendo a sua tentativa de imparcialidade, mas no que toca ao nosso país - aos nossos - dificilmente podemos ser imparciais porque todos beneficiámos ou sofremos com a mesma História, repleta de memórias afetivas consoante o nosso estatuto. Dito de outra forma, quem conta um conto, acrescenta um ponto.
    Somos produto dessa História e tentar analisá-la sem ter vivido o contexto, sem compreender a linguagem da época é perigoso e vulgar.
    Votos de bom fim-de-semana e obrigada por partilhar a reflexão detalhada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado, também, pela visita. um ótimo fim-de-semana!

      Eliminar
  7. O 25 de Abril foi o dia mais feliz da minha vida. Para mim, Otelo é um dos homens que nos trouxe a Liberdade, o bem maior. É assim que o devemos recordar.
    A inveja (sempre a inveja!) dos militares, que ficaram em casa ou eram coniventes ou apoiantes da Ditadura, fez com que a pátria nunca tivesse agradecido devidamente aos 'capitães' de Abril.
    Bom dia!

    ResponderEliminar
  8. A história julgará este homem que foi o "e" e não o "ou". Otelo foi tudo. O bom e o vilão mas o futuro irá ditar a forma como o querem ver. De qualquer forma, da questão factual ninguém se poderá afastar.
    Sérgio Guerreiro- Editor e Publisher- Melhor Política.

    ResponderEliminar

Comentar é a melhor forma de ajudar a validar ou invalidar as convicções de quem escreve ou irá ler. Muito obrigado!